Mala de memórias | Blog Oxente Menina

Mala de memórias

Pequena, velha e enferrujada. Se fosse um objeto qualquer, provavelmente estaria no lixo, mas essa mala carrega um conteúdo que vai muito além de utilitários. Ela carrega memórias.

Ganhei essa malinha do meu saudoso padrinho quando tinha uns cinco anos e fiz a minha primeira viagem de avião para Brasília. Lembro da ansiedade de voar pela primeira vez, do cabelo preso em um rabo de cavalo e das poses orgulhosas para a câmera antes de embarcar. Lembro até da crise de choro no avião, no vôo de volta para Natal, quando uma turbulência fez com que derrubasse suco de laranja na minha linda e engomada calça branca. Mais de 25 anos depois, eu jamais imaginaria que a pequena mala azul-marinho com o aplique de três bichinhos dentro de um balão ainda existisse, e imaginava menos ainda que dentro dela pudessem estar objetos tão bem guardados, assim como as lembranças carinhosamente arquivadas em algum lugar do meu subconsciente.

Foi só quando fui à Natal no primeiro semestre do ano passado, logo após os meus pais terem se mudado para um novo apartamento, que tomei conhecimento dessa mala. Na mudança muita coisa acabou ficando para trás, mas a mala seguiu para o novo lar. Quando a minha mãe me mostrou o conteúdo dentro dela eu não consegui parar de sorrir {e de espirrar!}, como se cada peça retirada de dentro da mala projetasse a cena de uma situação vivida. Uma grande tela exibindo uma cena nítida e emocionante. Tudo isso na minha cabeça, uma linda e colorida memória.

A fantasia de bailarina usada no carnaval da escolinha, a farda azul com manga franzida xadrez do Jardim Escola Girafinha Flor, o vestidinho branco do primário da Escola Doméstica, o vestido do ginásio de mangas compridas assinado por toda a turma de 1991, a farda do Henrique Castriciano do pré-vestibular, a blusa usada no dia da minha viagem de intercâmbio… tanto sentimento e tantas histórias a serem contadas pelos objetos que se amontoam em uma mala tão pequena!

Aquilo tudo parecia só ter sentido para mim, até que minha mãe e minha irmã resolveram abrir também a malinha com as coisas do meu sobrinho. Tamanha a emoção que senti ao ver aquelas roupinhas de Felipe, pude entender o quão significativas essas memórias devem ser para elas e para qualquer pessoa que guarde relíquias com inestimável valor sentimental! Ver a fardinha do colégio do boy me trouxe a lembrança de vê-lo chegar em casa cantando a música do “vem cá pezinho, vem cá pezinho” que tinha acabado de aprender na escolinha. Quase 20 anos depois, é como se eu pudesse sentir o cheiro de lavanda Johnson no cabelinho claro dele, saindo todo cheio de confiança para mais um dia no jardim. E assim como a doce memória que eu tenho do meu sobrinho {que tem quase 22 anos e para mim ainda é um bebê – e ainda bem que ele não lê o blog!}, imagino que as mães sintam algo semelhante ou ainda maior.

Mostrei a minha fantasia de bailarina ao meu marido e espero poder mostra à nossa filha, quando tivermos uma. Também tirei uma foto da farda de educação física do meu sobrinho pelo celular e mandei para ele, que achou graça e disse que lembrava daquela roupinha. Para vocês mostro fotos, conto histórias, mas não tenho como colocar em palavras a quantidade de amor e do bom sentimento que existe dentro dessas malinhas. Desejo que vocês também tenham uma mala, uma caixa, ou até mesmo uma álbum de fotos, e que cada vez que o abrirem sejam inundados dessa sensação gostosa que as boas lembranças são capazes de trazer.

Escrever esse post foi uma delícia, e precisei me controlar para não escrever ainda mais. Adoraria ouvir as histórias que vocês têm para contar, e quem quiser ver e compartilhar fotos, a fanpage do Oxente no Facebook está aberta.

Comente também pelo Facebook!

31 Comentários

  1. Tomatecomacucar
    08 de janeiro de 2012

    Oi Ana

    Como é bom relembrar, não é? Tenho tantas coisas dos meus filhotes muito bem guardadas. Mas amei o post. Bjs

    http://tomatecomacucar.blogspot.com
    @tomatecomacucar

    Reply

  2. Lívia Castro
    08 de janeiro de 2012

    Conheci o blog hj e adorei tudo, mas esse post me conquistou. Eh muito carinho colocado em palavras, me emocionei. Paranbéns Ana, e sucesso pro seu blog.

    Reply

  3. Jane design
    08 de janeiro de 2012

    Que lindo!!

    O post super diferente, adorei e me encantei com a fantasia…bem minha infancia tb…..

    beijos

    Reply

  4. Rossana Braga
    08 de janeiro de 2012

    Muito amor!!!
    Ai que lindo Ana Lu!!! Nossa memórias são verdadeiros tesouros, também não troco as coisas que minha mãe e minha vó guardaram da minha infância por nada nese mundo.
    Orgulhosa demais desse post tão lindo!
    =***

    Reply

    • Ana Lu Fragoso | Oxente Menina
      16 de janeiro de 2012

      Ro, eu escrevo todos os posts com muito carinho, mas esse foi especial. Feliz por essa emoção ter sido refletida. Bjos

      Reply

  5. Gláucia Macedo
    08 de janeiro de 2012

    Eu adorei! Sou fã de guardar coisas por anos relembrar como tudo passa rapido como as pessoas crescem a gente cresce !

    Reply

    • Ana Lu Fragoso | Oxente Menina
      16 de janeiro de 2012

      Eu nem costumo guardar, mas fiquei tão emocionada ao ver minhas coisas na casa dos meus pais, que certamente vou começar a guardar de agora em diante. Bjos

      Reply

  6. Dido
    09 de janeiro de 2012

    Ana, adorei sua mala de lembranças, estou com 43 anos, ano passado descobri na casa da minha mãe minha primeira cartilha da escola, me emocionei porque minha mãe guardou este importante momento da minha vida. Seu post me emocionou muitoooooo!

    Reply

    • Ana Lu Fragoso | Oxente Menina
      16 de janeiro de 2012

      Dido, que delícia que deve ter sido ver sua cartilha, né? É uma mistura de emoções que a gente não sentiu na época, mas ao ver esses objetos e saber do carinho com que foi mantido por tanto tempo, é quase uma avalanche de bons sentimentos. Bjosss

      Reply

  7. Héstia
    09 de janeiro de 2012

    Oi AnaLuh, tudo bem?
    Eu tive que curtir ;)
    AMEI esse post, amo posts assim pessoais e emocionantes. Eu tenho um conjunto com copinho, garfo, faca e colherzinha de quando eu era criança que minha mãe guardou e me deu. Vou ver se faço foto pra compartilhar com vc. Beijos

    Reply

    • Ana Lu Fragoso | Oxente Menina
      16 de janeiro de 2012

      Quero muito ver essa foto! É muito gostoso ver essas coisas depois de tanto tempo, mas o melhor de tudo é saber o carinho q nossas mães colocam nisso. Bjos, e não esquece de me mostrar a foto, viu? :**

      Reply

  8. Fafá Rocha
    09 de janeiro de 2012

    Amei o post…que lindo eu tb tenho ótimas lembranças da minha infancia, mas poucas coisas guardadas…

    bjs

    Reply

    • Ana Lu Fragoso | Oxente Menina
      16 de janeiro de 2012

      Fafá, as lembranças tb são preciosas, mas o legal de ver os objetos foi puxar lá no fundo da memória coisas que estavam escondidas. Bjosss

      Reply

  9. Bethânia Lima
    10 de janeiro de 2012

    Lindo texto Ana! Suas lembranças se transformaram em muita emoção:)Abraço

    Reply

  10. Neysângela
    11 de janeiro de 2012

    Que delícia recordar coisas tão especiais e que evocam emoções tão boas. Eu também gosto de guardar essas lembrancinhas, roupa de bebê, uniforme de colégio, etc. E as agendas da adolescência? Quando vou arrumar o armário e encontro elas, passo horas relendo e lembrando meus “grandes conflitos”.

    Reply

  11. Juliana RNA
    11 de janeiro de 2012

    Podem me chamar de museu, que eu nem ligo, mas eu adoro relembrar o passado. E pra ser sincera gostaria de ter uma máquina que me fizesse voltar ao tempo e reviver tanta coisa boa! Posso imaginar como vc se sentiu, uma lembrança vai puxando outras e a gente entra no clima de saudosismo… tão bom ser criança!
    Eu esses dias resolvi ler meus diários de quando eu tinha uns 10 anos de idade e CHOREI de rir, meu Deus, que coisa boa! Tem coisas relatadas que me lembro nitidamente, outras não. Mas o pior mesmo são algumas páginas escritas em código, aonde foi parar a tradução dos códigos? Risadas garantidas perdidas no tempo…kkkkkkkkkkkk…
    Bjsss

    Reply

    • Neysângela
      11 de janeiro de 2012

      Eu também escrevia minha agendas em código! Morria de medo que minha mãe pegasse e descobrisse meus paquerinhas hehehe

      Reply

    • Ana Lu Fragoso | Oxente Menina
      16 de janeiro de 2012

      hahaha, Ju! Eu tb fazia a mesma coisa, e a cada ano inventava um código diferente. Que delícia reler essas coisas, né? E pensar q naquele tempo a gente achava q uma nota baixa ou um paquerinha q a gente descobria gostar de outra menina eram os maiores problemas do mundo. Quero muito sua participação no post, viu? Bjosss

      Reply

  12. Rita Marques
    11 de janeiro de 2012

    Amei o post… me lembrei que tb tenho uma mala em Salvador que deve estar cheia de recordações (hj moro em Porto Alegre). Qdo. voltar pretendo reabri-la e vê as memórias que saem lá de dentro…

    Bjkonas,

    Rita

    Reply

    • Ana Lu Fragoso | Oxente Menina
      16 de janeiro de 2012

      Rita, quero ver essa mala, viu? Não esquece de tirar fotos pra nos mostrar, mas acima de tudo desejo q ao abrir essa mala todo o carinho q existe dentro dela inunde seu coração. Bjosssss

      Reply

  13. Carol Fernandes
    14 de janeiro de 2012

    Amei seu post e o blog também.
    E achei incrível as suas recordações, eu também amo recordar muitas histórias vividas e hoje em dia qualquer objeto, foto, vídeo eu guardo pra mais adiante possamos ver e recordar, e logo com essas recordações vem as mais lindas e recordantes lembranças. As vezes dá um aperto no coração só em pensar que tudo aquilo foi somente um instante e que não voltara mais, dá aquela saudade e vontade de ser criança novamente, e de passar aqueles momentos que hoje já é passado. O bom é relembrar tudo e pensar como tudo isso foi importante pra mim e pra muitos.
    Ana Lu brigada por fazer algumas lembranças que ja estavam esquecidas passar igual alguns filminhos rápidos e ao mesmo tempo lindo. Beijos (;

    Reply

    • Ana Lu Fragoso | Oxente Menina
      16 de janeiro de 2012

      Carol, fiquei tocada ao ler seu comentário, viu? Os acontecimentos do passado podem não voltar, mas a lembrança deles são suficientes para nos encher de alegria. E ainda melhor é que podemos transformar o presente em outras boas recordações no futuro, por isso a importância de valorizar cada momento. Beijos, querida!

      Reply

      • carol
        17 de janeiro de 2012

        Brigada, pois eu sei que cada momento passado foi muito relevante em na vida de cada um e hoje em dia posso dizer que cada acontecimento, lembrança ou recordações me modificam aos poucos. Não pensando no modo negativo, mas me recordando o que eu fui, e que eu realmente sou. Vou tentando aos poucos recordar momentos memoráveis para que eu não esqueça o que foi meu passado, ou tentando perder minha essência. Óbvio que seguindo em frente porque não podemos parar no tempo, e sim a cada dia lembrando de momentos passados, inesquecíveis, lindos, e vai indo (rsrsrs). Mas sempre tentando nao perder o que veio conosco. E que cada lembrança vai ficar guardada na nossa MALA DE MEMÓRIA, que nos sempre acompanham, mas em nossos corações. Beijos (;

        Reply

        • carol
          18 de janeiro de 2012

          obs: tentando nao perder a nossa essência (;

          Reply

  14. Ana Carolina (@carol_afl)
    31 de janeiro de 2012

    Ana Lu, que post mais gostoso! Muito bom relembrar os momentos da infância e da adolescência. Também tenho muita coisa guardada e, de vez em quando, vou na minha caixinha para relembrar tantos momentos bons! Parabéns pelo post! Bjo.

    Reply

Deixe um comentário!

Close