Ressaltando o quadril em modelos estruturados

Vendo as imagens do desfile da primeira coleção de Raf Simons para a Dior, meu olhar parou no modelito da da foto acima. Instantaneamente me imaginei com ele, e o que deveria ser um sonho – usar um vestido Dior – virou um pesadelo ao imaginar meu quadril dentro dessa rica peça.

Faço parte daquele estereótipo de mulher brasileira: tenho quadril largo. E por mais que a diversidade em nosso país nos permita ter vários tipos físicos, é reconfortante para mim pensar nessa protuberante desculpa da brasilidade feminina.

Todos nós sabemos que a moda nem sempre é para todo mundo, mas sempre {ou quase} pode ser adaptada e transformada em moda para todos. Recentemente a tendência do peplum – que nada mais é do que o babado acima dos quadris para dar foco à cintura – invadiu as passarelas e os blogs de look do dia. Como exemplo de moda que não é para todos, o peplum ganhou variações mais compridas e combinações com peças mais sequinhas, e conseguiu adaptar-se aos tipos físicos de quem não é modelo.

O vestido Dior que direciona esse post, inspirado nos modelos dos vestidos de Maria Antonieta, tem como principal característica as ancas no quadril para dar um visual mais estruturado. Seguindo as mesmas características, o vestido de paetês usado por Ana Maria Braga na edição de junho de sua revista, e assinado pelo designer Walério Araújo, não foge ao propósito de acrescentar mais volume nos quadris.

Para quem não arrisca usar a moda das passarelas na vida real, o modelo Balenciaga {sem as ancas!} usado pela atriz Kristen Stewart na campanha do novo perfume da marca é uma alternativa mais democrática para ressaltar o quadril sem parecer um bolo de noiva ou um personagem do século XVIII.

Substituir o Dior por um Balenciaga não me parece má ideia… E vocês, acham esse tipo de peça usável?

Crédito das imagens: Grazia | Atlantic Pacific | Just Jared | R7

Facebook Comments

18 comments Add yours
  1. Observação número 1: Eu queria ser magra como a Kate…
    Observação número 2: Eu queria ser magra como a Kate…
    Observação número 3: Eu sou cheinha mas meu quadril é reto e meu sonho é ter quadril largo. Mas vai eu botar um vestido assim. Fico parecendo um bolo assassino.
    Observação número 4: Eu queria ser magra como a Kate…

    kkkkkkkkkkkkkkkk

  2. Sempre que eu vejo esse vestido da Ana Maria, a imagem que me vem à cabeça são aquelas mulas carreganso barris d’água no sertão. Tipo assim: http://www.flickr.com/photos/blogcumplicidade/4103460644/
    Sério, oh vestido feio. Não consgio gostar nem como uma coisa conceitual, de passarela.
    Essa moda peplum eu não curti. Em mim, definitivamente não rola, mas mesmo para as magrinhas, poucos são os modelos que eu achei bonitos (p.ex, gostei do modelo de Kate).
    Já o modelo Balenciaga deve ficar legal para as magras e “retas”, sem cintura. O ombro também é estruturado, né? Dá um formato de ampulheta.

  3. Tem que ser muuuito mas muito magra para usar uma coisa desta, e para nos brasileiras, que se não tem quadril largo, tem bumbum grande, ou os dois kkkkk, ai é que não rola mesmo

  4. Eu tenho um pouco de medo desses volumes no quadril pois os meus já são avantajados mais do que eu queria…
    Talvez algum vestido com corte e volume diferenciados ficasse bem em mim, eu provaria ;)
    =***

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.