Diário da gravidez: sensibilidade à flor da pele

A sensibilidade é uma característica minha mesmo antes da gravidez. Não o tipo fresquinha não-me-toque-que-eu-grito-e-choro, mas daquelas que ficava sentida quando alguém falava com mais rispidez, ou quando me acusavam injustamente de algo, e, mais ainda, daquelas que chorava de raiva. Minha vontade de chorar era tanta nessas situações que se tornava incontrolável, e às vezes nem me defender ou me explicar eu conseguia, e aí chorava ainda mais com raiva de mim mesma. Ironicamente, ao escrever esse post e lembrar dessas situações me deixaram com vontade de rir.

Ainda bem que à medida que a gente vai amadurecendo, vai às vezes conseguindo controlar as emoções. Assim, eu sei que nunca vou ser daquelas pessoas que parecem ter um coração de pedra, e são incapazes de esboçar qualquer emoção que seja; mas também não começo a chorar copiosamente no meio da praça de alimentação de um shopping só porque uma criança passou por mim e sorriu. Pelo menos eu acho que não. Por via das dúvidas, melhor não ir à praça de alimentação dos shoppings nesse período, e nem manter contato visual prolongado com crianças fofas e simpáticas.

Poucas semanas antes de descobrir que estava grávida – e com a vontade de ser mãe já no auge – assisti o filme “O Que Esperar Quando Você Está Esperando”. Teoricamente o filme é uma comédia, mas eu chorei do início ao fim! Na época meu marido estava viajando, e quando nos falamos ao telefone falei pra ele que das duas uma: ou eu estava grávida ou seriamente doente, porque aquela atitude super-hiper-mega-master sensível não era nem de longe normal. Eu estava certa! Nem doente e nem doida, a sensibilidade que eu enfrentava chamava-se gestação.

Uma pequena pausa no lenço encharcado para aliviar as lágrimas das futuras-mamães: essa sensibilidade à flor da pele é absolutamente normal. Durante a gravidez, sofremos uma grande carga hormonal, e isso se exterioriza de formas diferentes entre as mulheres. Algumas fica extremamente sensíveis, outras ansiosas, outras deprimidas, e ainda há aquelas que sofrem um coquetel de emoções.

Fora as alterações hormonais, o lado psicológico nos atinge com força, afinal de contas, saber que daqui a alguns meses você será responsável por um outro ser humano e que a sua vida mudará completamente não é o tipo de pensamento que nos deixa em uma zona de conforto. Sem contar com as preocupações sobre as despesas do bebê, as mudanças no seu corpo, a saúde da criança, se você será uma boa mãe… Mesmo a gravidez mais planejada e desejada pode acarretar preocupações. Sim, e mesmo essas são normais!

Para aliviar a tensão, procure fazer coisas que a façam se sentir bem e estar com pessoas que entendem e respeitam o seu momento. E se de repente a vontade de rir ou de chorar for mais forte do que você, deixe fluir. Na pior das hipóteses, se isso se tornar um vexame, há sempre a desculpa de que você está grávida.

Facebook Comments
16 comments Add yours
  1. Nossa, eu me lembro da montanha russa em que eu entrei quando fiquei grávida. A mudança de humor, especialmente no começo, foi impressionante! Mas depois, assim como outros sintomas, foi ficando melhor e mais fácil…
    Bjos

  2. Ana, por acaso és de peixes ?! Você praticamente me descreveu e tem meses que esses hormônios me deixam de um jeito tal que choro ouvindo as músicas de Amelie Poulain por ex.(trilha sonoro que não sai do meu carro). Estou qs no auge desse desejo de ser mãe mas tenho muito medo, muito mesmo. Mas acho que pra todo mundo é assim né ?! Insegurança, angustia, expectativa… enfim !! Enquanto isso não acontece comigo, vou me divertindo lendo o relato de vcs blogueiras buchudas !! :) bjos

  3. Realmente a grávida é super sensível. Eu fiquei ainda mais também. Muito legal seu diário, até para você ter de lembrança depois. E bom para nós leitoras, no meu caso para relembrar esse momento único e maravilhoso. :)

  4. Sinceramente, a gravidez é o melhor momento para mulher colocar a culpa de TUDO na gravidez e ainda assim ser absolvida da culpa… Rsrsrsrsr…
    Podemos comer o que quiser, chorar e rir ao mesmo tempo, ou sem motivo algum. É tudo muito intenso, não há experiência melhor! Aproveita cada instante, viu Aninha?!
    Bjos!!!

  5. Adoreii!!!!
    Lembro que dias antes de descobrir que estava grávida chorei que nem criança sentida, soluçando, ao discutir assuntos corriqueiros com meu marido.
    Me recordo que desliguei o telefone e pensei: nossa, o que aconteceu comigo?
    O nome do acontecimento é Maria Clara!! hehehhe

    <3

    1. Hahaha, depois que a gente descobre fica mais fácil saber a origem de tanto choro, né Tati?
      Essa semana eu assisti essas reprises de Friends e estava na temporada que Phoebe está grávida. Daí a cena é ela na mesa conversando numa boa com Monica e Rachel e do nada começa a chorar, então Rachel se aproxima como que para consolar e a própria Phoebe fala “eu não sei porque (estou chorando)”, na mesma hora meu marido olhou pra minha cara como quem diz “ó você”, kkkkkkk.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.