Viagem India | Blog Oxente Menina

Roubadas de viagem: eu, a Índia e as baratas

Perrengues que acontecem em viagens são histórias engraçadíssimas, principalmente se o aperreio não foi com você. É aquela velha história, “pimenta nos olhos dos outros é refresco”. Analisando por outro lado, quem ficou no conforto do seu lar pode até não ter passado por nenhum aperreio em uma viagem, em compensação não tem uma história divertida para contar e nem a experiência de ter estado em lugares fascinantes.

Luíza Antunes, uma das autoras do delicioso blog 360meridianos, é uma dessas pessoas que tem muita história para contar – inclusive das roubadas! O saldo positivo disso tudo é a quantidade de carimbos no passaporte de Lu e as incontáveis boas lembranças. Aposto que até esse perrengue que ela passou na Índia consegue render boas risadas…

Já estive em uns 20 países do mundo. Por isso, posso afirmar com categoria que a Índia é o lugar mais atrativo para perrengues que você pode conhecer. Eu morei na Índia por 6 meses, viajei o país de norte a sul e vi e vivi coisas que a maioria das pessoas sequer imagina. A Índia tem lugares incríveis: não só o Taj Mahal, mas também alguns dos fortes e templos mais bonitos e impressionantes do mundo, combinados com uma cultura milenar que é, no mínimo, interessante. Em contraponto a essas paisagens incríveis, é um país de 1 bilhão e 300 milhões de pessoas, muito barulhento, sujo e confuso. Para completar isso, eles ainda consideram vários bichos sagrados. Não, não só as vacas, mas também ratos e macacos, por exemplo. Não bastando, com a coisa do karma nas vidas seguintes, matar bichos, como baratas, não é bom para eles – afinal, aquela barata que você está matando pode ser o seu tio-avô reencarnado.

Em diversas situações tive que aprender a lidar com esses bichos, dentro de um ônibus de viagem, por exemplo. De repente, seu amigo bate na sua perna discretamente. Você pergunta: “O que foi?” E ele tenta despistar: “Não, nada.” Pouco tempo depois ele bate no ombro da namorada, da mesma forma. E então, você olha para a “parede” do ônibus e vê várias baratinhas caminhando por ali tranquilamente enquanto o veículo seguia seu caminho. Eu tinha duas opções: 1. Gritar por minha vida, fazer um escândalo e parar o ônibus dando chilique; 2. Passar a espantar as baratas eu mesma. Como eu vivia na Índia há algum tempo quando ocorreu o fato, eu já sabia que o chilique não ia dar em nada. Por isso, a segunda opção foi a escolhida e acabou se tornando frequência na minha vida. A gente até fez um jogo disso. O nome do jogo era “Bad Karma” e consistia em matar as baratas em sequências pares. Mais ou menos assim, cada vez que matava uma barata a pessoa tinha que gritar: “bad kaaaarma”. Se você matasse um número ímpar de baratas, seu karma ficava negativo para a próxima encarnação. Já um número par, karma positivo. Era uma ótima maneira de passar o tempo. Talvez o resto do pessoal nas poltronas vizinhas não achasse, mas fazer o quê?

Já com os ratos minha relação não foi tão tranquila. Acontece que bichos que mordem são bem mais assustadores do que aqueles que morrem com uma pisada. Certa vez um rato apareceu no hotel. E ele não escolheu uma hora qualquer para aparecer. Foi dentro do banheiro, com só nós dois trancados lá. Nesse caso, eu mantive a minha dignidade: gritei feito uma louca e subi na privada como forma de salvação. Como a salvação não veio e o rato resolveu voltar para seu lugar de origem, a privada, eu tive que saltar de lá num duplo twist carpado, correr pela minha vida até a porta e trancar o rato sozinho lá dentro. Com ajuda dos meus companheiros de viagem e depois de muita insistência com o pessoal do hotel, espantamos o rato. Desde que o caso ocorreu, aprendemos a, sabiamente, manter a porta do banheiro sempre fechada e sempre bater antes de entrar. Assim o sr. Rato sabe que vem vindo alguém e tem tempo de se esconder para não cruzar com você.

Sinceramente, não quero desencorajar ninguém a viajar para a Índia por causa disso. Minha viagem era muito econômica e como vivi lá por muitos meses acabei tendo que passar mais por essas situações do que um turista tem. Mas tenha em mente que seja em Paris ou Nova Délhi, ratos e baratos existem e podem vir a te assombrar nas situações menos esperadas.

Comente também pelo Facebook!

6 Comentários

  1. Kaka Gualberto
    02 de agosto de 2013

    Olha só, depois da história do rato eu tomei uma séria decisão: risquei a Índia dos meus possíveis passeios turísticos.
    Eu não tenho medo de rato, eu apenas desmaio quando vejo um. Um dia fui na casa de uma amiga e ela tinha dado um de presente pra filha, eu comecei a chorar quando vi a menina alisando aquilo, sério mesmo. A mais remota possibilidade de um rato entrar na minha casa já me tira o sono, pensa imaginar que o bicho pode sair do vaso???
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Beijos!!!

    Reply

    • Ana Lu Fragoso | Oxente Menina
      04 de agosto de 2013

      Kaka, entendo totalmente a sua fobia. Sou assim com cobra, na época em q eu ainda namorava com meu marido eu estava na casa dele vendo TV e passou um programa sobre serpentes. Me cobri para não olhar, e qdo Rodrigo puxou o lençol eu estava morrendo de chorar.
      Não sei se encararia a Índia tb pelo mesmo motivo!
      Bjoooo

      Reply

  2. Amanda
    04 de agosto de 2013

    Oi Ana Lu!
    Eu tb sou “cobrafóbica”, o que não me impediu (veja só) de nadar num rio com sucuris. A verdade é que eu só soube da sucuri depois de estar dentro do rio. Aff! Além de ir ido ao Instituto Butantan em SP numa excursão escolar. Só precisando de nota boa no boletim para ir num lugar destes… Enfim, já vi que a Índia não é local para minha mãe, ela tb tem fobia de rato. Como eu estou prestando concurso para diplomata, uma coisa é certa, perrengue será inevitável! Beijos!

    Reply

    • Ana Lu Fragoso | Oxente Menina
      04 de agosto de 2013

      Mandy do céu!!! Fiquei com vontade de chorar só de me imaginar nessa situação. =( Onde foi esse banho de rio? Quero passar bem longe.
      Bjossss

      P.S. E tô na torcida para que vc vá para um lugar onde os perrengues sejam mínimos.

      Reply

      • Amanda
        05 de agosto de 2013

        Foi em Bonito no Mato Grosso do Sul. O Pantanal é muito lindo, maaas, não vá aos rios. Alguns só (com muita ênfase) tem piranhas e cobras d’água… Então, eu não recomendo, mesmo que esteja 45 graus e a água seja muito convidativa. Hehehe!!!
        (passeio ideal para biólogos e aventureiros do National Geographic)!

        Reply

        • Ana Lu Fragoso | Oxente Menina
          05 de agosto de 2013

          Não duvido da beleza do lugar, mas não é um dos lugares que faço questão de conhecer. Bichos me espantam! rsrs

          Reply

Deixe um comentário!

Close