Comentários inconvenientes no pós-parto

Sempre é tempo de fazer – e ouvir – comentários inconvenientes! Se você passou dos 30 e não casou ainda, se está perto dos 40 e ainda não tem filhos, se tem 18 e ainda não decidiu para que vai prestar vestibular…

Durante a minha gestação, alguns meses atrás, postei sobre os comentários inconvenientes na gravidez. Naquele momento minha tolerância andava no grau zero, e eu, é claro, atribuí a sensibilidade aos hormônios. Não foram poucos os comentários que ouvi dizendo que depois que a criança nascesse iria piorar {esses foram úteis!}, e eles geralmente vêm justamente naquele momento dos pós-parto em que nem deu tempo ainda de nos acostumarmos com a queda brusca dos hormônios e a gente chora até quando o vento sopra. Essa tristeza, vale salientar, é bem comum. Não é a depressão pós-parto, é apenas o blues puerperal, aquela melancolia que a gente nem consegue explicar porque está sentindo, uma vez que a maior razão da felicidade – o bebê – está bem ali juntinho.

E aí, em meio a toda essa confusão hormonal e sentimental, uma criatura, que nem sequer lhe parabenizou pela gravidez, aparece se metendo na sua vida e soltando umas pérolas que faz qualquer pessoa nesse momento vulnerável se sentir um lixo. No turbilhão de emoções, nem pensamos numa resposta atrevida pra dar, só depois de semanas é que vem aquele pensamento: “eu devia ter dito tal coisa!”.

Tudo bem, não é o fim do mundo. Talvez a melhor coisa tenha sido não falar nada mesmo, afinal de contas nesse momento ninguém precisa de uma dose extra de estresse, né? E saiba que você não é a única a ouvir essas coisas, veja um exemplo de comentários inconvenientes reais que algumas mamães de primeira viagem tiveram que ouvir. E só por curiosidade, que resposta você daria? 

conselhos-pos-parto

Facebook Comments

6 comments Add yours
  1. Adoro os seus textos!!!
    Nossa, já ouvi – e ouço – tanta coisa…
    Nem sei qual é pior, os comentários na gravidez ou após o parto.
    É muita gente dando palpite e enfiando o nariz onde não é chamado né?
    Eu escutei de amigos próximos que eu devia “tirar o Lorenzo da bolha”.
    Isso pq eu não quis sair com ele pra uma festa a noite. Detalhe, ele ainda não tinha um mês de vida! No inicio eu ficava extremamente irritada com esses comentários. Hj eu tenho relevar e abstrair. Pq senão vou andar sempre nervosa!
    Mas o comentário mais sem noção mesmo veio de uma moça que fez uma faxina na minha casa. Ela viu o quartinho do Lorenzo e disse: “Uma amiga minha também estava com o quartinho assim todo prontinho antes do bebê nascer. Mas passou uns dias e ele morreu”. Oi?! Isso é algo que se conta uma grávida de 7 meses? Kkkkkk. Tem que rir pra não chorar! Só sei que ela numa mais fez faxina na minha casa! Kkkkk
    Beijos pra vc e pro gatão do Lucca

    1. Sabe essa de “perder o marido”? Foi uma faxineira também. Esse comentário ainda engoli em seco, mas quando ela disse “essa criança chora assim o dia todo?”, com Luca com 2 semanas e eu se conseguir amamentar direito, perdi a paciência e nunca mais a chamei aqui.
      E com essa você me lembrou que teve outra bonita que logo no início da gravidez chegou dizendo que outra pessoa onde ela fazia faxina perdeu o bebê por má-formação. Afffff!
      Bjo pra vc e pra Lorenzo lindo!!!

  2. Oi Ana Lu,
    Eu tenho de tomar cuidado com certas coisas que eu falo, eu sou meio desligada e acabo dizendo coisas sem maldade, mas que causam constrangimentos. Sim, eu causo vergonha entre as pessoas. Triste, mas é a verdade.
    Porém, se escuto algo sem noção, eu até engulo seco para não explodir. Caso, eu estiver na TPM, aí, a coisa fica feia. É simplesmente “pq vc não vai para…” (inclua qualquer palavra feia)!
    Beijos!

    1. Hahaha! O problema é fazer comentários ~constrangedores~ pra grávidas, mulheres no pós-parto e mulheres na TPM, corre o risco de levar uma resposta atrevida ou fazer a pessoa chorar.
      Falando em comentários constrangedores, dia desses estava eu no parquinho do prédio com Luca e uma pessoa começou a conversar e no meio da conversa ela me solta um “minha filha casou moça. Só deixou de ser moça com o marido, e blá blá blá”. Eu fiquei tão sem graça de saber detalhes íntimos da vida da criatura que dei graças a Deus quando Luca choramingou pra eu levá-lo pro escorrego, kkkkkkkk.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.