A indústria das festas infantis e a ostentação

Minha intenção era apenas falar sobre a inspiração para a festinha de Toy Story, mas foi impossível me controlar e não falar sobre a ostentação das festas infantis. “E o que você tem a ver com isso?”, alguém pode estar pensando aí, “É a lei da oferta e da procura. Se tem quem pague, tem gente oferecendo”. Certo.

A questão não é sobre quem tem dinheiro e pode pagar por uma festa mais suntuosa {apesar de eu, particularmente, não concordar com tanta ostentação. Mas isso é só minha opinião}, a questão central é sobre a disparidade de preços para produtos e serviços semelhantes.

Em vez de escrever, dessa vez resolvi conversar através de vídeo.

frozen-rafaella-justus-01

As imagens que ilustram o post são da festa de Rafaella Justus de 2014.

Facebook Comments

2 comments Add yours
  1. Há tempos faço sérias críticas quanto a essas festas gigas, mas existe muita coisa psicológica por trás (pais que querem suprir o afeto pela distância, pais que tiveram infância difícil e querem dar o melhor aos filhos ou competição com outros pais mesmo). Sei que eu não faria e opto pelo simples. Já ouvi “mas se eu tenho dinheiro, porque vou dizer não?” e eu sou o exemplo de pais que poderiam ter dado o melhor e escolheram o simples, porque o simples agrada o aniversariante. Na verdade tem que fazer pensando no aniversariante e apenas nele. Agora mesmo organizando o chá de bebê me pergunto várias vezes: vai fazer diferença em que? E deixo de incluir uma frescura. Eu sou simples, não adianta querer oferecer uma festa pavão, porque quem me conhece sabe que apenas balões e um bolo me fazem feliz!

    :)

    bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.