Maternidade | Blog Oxente Menina

5 razões para não ter filhos

As pessoas acham estranho quando eu digo que não há nada de anormal na decisão das mulheres que decidem não ter filhos. E não falo da boca para fora, eu realmente acho uma decisão sensata, ainda que eu não compartilhe da mesma escolha delas. Se tem uma coisa que eu defendo nessa vida é que o ideal de felicidade não é o mesmo para todo mundo, e essas frases prontas do tipo “Quem não tem filhos vai ficar só na velhice”, “Uma mulher só se realiza sendo mãe”, “Aos 30 você vai querer engravidar” são uma bobagem! (Eu poderia até contra-argumentar cada uma dessas frases, mas vamos deixar isso para uma próxima oportunidade).

A maternidade é uma das coisas que mais me realizam como pessoa. Luca trouxe uma luz para a minha vida que não sou capaz de descrever, e até hoje, ele com quase 4 anos, fico com os olhos marejados ao observá-lo dormindo, pensando em como sou abençoada por ter essa criança tão linda ao meu lado. Mas reitero: esse é o meu ideal de felicidade, não precisa ser o seu. Da mesma forma que alguém se realiza sendo CEO de uma grande empresa e alcança o ápice da felicidade desempenhando esse papel, eu não consigo me imaginar nesse lugar. Pessoas diferentes, ambições diferentes, realizações diferentes. Tão simples entender que a vida não é uma receita de bolo, não?

“Eu entendo que nem toda mulher sonha em ser mãe e respeito a decisão de quem não deseja ter filhos, mas eu lamento por essas pessoas que nunca vão saber como é receber um abraço e um beijo gostoso de um filho.” Foto e legenda do meu Instagram pessoal de algumas semanas atrás.

Para ser mãe é preciso ter o instinto maternal, e isso deveria ser o bastante para justificar o arbítrio de procriar ou não, mas há sempre alguém enumerando argumentos na tentativa de convencer uma mulher a querer ser mãe. Indo na contramão, listo aqui cinco razões para não ter filhos. Minha intenção não é assustar e nem fazer quem sonha em ser mãe desistir da maternidade (seria, no mínimo, contraditório de minha parte!), mas sim mostrar que nem tudo são flores.

1. Eles adoecem. Nada mais óbvio, afinal todo mundo adoece. Mas quando é o seu filho que está doente, o mundo desaba. Uma das coisas mais loucas acontece quando uma criança está debilitada: por maior que seja o seu sono e a sua exaustão, aquela sensação de que a qualquer momento você vai sucumbir e desmoronar, as mães estranhamente conseguem ficar alertas, como se tivesse algum tipo de droga se espalhando pelo corpo, comandando o cérebro e dizendo “Não fecha os olhos. Põe o termômetro no menino de novo”.

2. Adeus, comprinhas! Ir no shopping comprar um sapato novo? Nem pensar. E aquele vestido que estava na vitrine semana passada? Já era! A menos que a sua condição financeira seja muito boa e você possa ter tudo, a realidade é que as coisas para a criança sempre vão vir em primeiro lugar. Sem falar naquele sentimento de culpa quando você compra uma calça jeans nova e lembra que deveria ter priorizado a vacina do seu filho.

3. Seu sono nunca mais será tão tranquilo. Nos primeiros meses de vida do bebê a rotina fica uma loucura mesmo, mas por volta do quarto ou quinto mês as coisas vão voltando à normalidade. A verdade é que, mesmo com a rotina do sono regulada, o sono de uma mãe dificilmente volta a ter a mesma paz que tinha na época de uma vida sem filhos. (Só agora, que sou mãe, consigo compreender porque a minha mãe sempre pedia para eu acordá-la quando chegasse em casa depois da balada para avisar que estava tudo bem).

4. A casa vai ficar bagunçada por muito tempo. Esmero é uma coisa que não existe em casas com crianças. E não importa quantas vezes por semana a faxineira vai na sua residência, no dia seguinte sua sala vai estar parecendo que um furacão subiu os nove degraus de escada, abriu a porta sem bater e fez uma zona apenas no seu apartamento.

5. A responsabilidade é sua. Da mãe e do pai da criança, por via de regra. Mas o ponto que quero chamar atenção é que, com a maternidade, a expectativa de “living la vida loca” fica para trás. Não é a sua mãe quem tem que passar a noite com seu filho porque você está a fim de fazer farrinha com os amigos, não é sua sogra quem tem que levar a criança ao médico porque você quer dormir até mais tarde. Ajuda é bom e todo mundo pode e deve contar com o apoio de familiares em emergências e situações especiais, mas achar que o mundo lhe deve favores porque você está desempenhando o sacrificante papel de ser mãe é fugir completamente do bom senso.

O certo e o errado não existem nesse tipo de decisão. Recentemente li a postagem de uma amiga no Facebook, que sempre defendeu a decisão pessoal de não ter filhos, contando que a ideia de uma possível gravidez a alegrava. Tudo bem mudar de ideia e querer ser mãe. E tudo bem também se você acha que não consegue lidar com as obrigações que vêm no pacote da maternidade. A cada um resta escolher seus referenciais de felicidade e respeitar as decisões alheias – com ou sem filhos.

Fantasia de Jake e os Piratas da Terra do Nunca

O pernambucano adora carnaval, e por aqui a folia começa muito antes dos dias oficiais. O que eu amo nas prévias é que elas são muito mais tranquilas e em qualquer esquina tem uma bandinha de frevo tocando com um monte de gente animada pulando ao redor.

Nos últimos três anos, as prévias infantis são obrigatórias na nossa programação. Às vezes nem são festas voltadas para as crianças, mas o ambiente é tão familiar e pacato, que a gente leva Luca sem medo. Mas com tanta festa, haja fantasia!

Felizmente, a avó paterna de Luca adora uma farra e é a primeira a comprar as fantasias dele. Esse ano ele ganhou dela a fantasia do Chaves e uma de palhaço. Antes de saber que ele ganharia essas duas, eu já havia separado uma de Vikings que ele usou ano passado e encomendei um colete para fazer a fantasia do Jake, o pirata que dá título ao desenho Jake e os Piratas da Terra do Nunca.

O desenho faz parte do Disney Junior, que tem uma programação mais voltada para crianças menores, na faixa de dois a sete anos. Luca adora o canal, e analisando os personagens com as fantasias mais fáceis de fazer, encontrei no Jake o meu modelo para o carnaval.

O bom da fantasia de pirata é que não tem muito o que fazer, e a do Jake eu achei que foi ainda mais fácil por ele usar cores básicas e sem muitos apetrechos. Para a fantasia de Luca, tudo o que eu tive que fazer foi encomendar o colete, que preferi usar dourado nas bordas, em vez do tradicional amarelo – saiu por R$ 40,00 na Abacaxi com Amora.

A espada é de plástico e custou R$ 14,90 nas Lojas Americanas. A camiseta branca com gola em V da Kyly ele já tinha e a bermuda faz parte de um conjuntinho da Rovitex que também já estava no guarda-roupa. A faixa vermelha da cabeça foi o lenço da festa de São João do ano passado, então, basicamente, a nossa despesa foi com o colete e a espada.

Na fantasia original do Jake, a calça é de uma tonalidade diferente do azul do colete, por isso não me preocupei em usar uma bermuda um pouco mais escura e nem em optar por bermuda em vez da calça. Aliás, o segredo para fazer uma fantasia usável é adaptar as peças que já temos em casa. Eu poderia ter colocado uma calça jeans para deixá-lo mais parecido com o personagem, mas seria uma judiação com o meu filho fazê-lo usar uma calça numa festa de rua às 10:00 da manhã. Só de pensar já começo a suar!

Você definitivamente não precisa comprar uma fantasia super cara (ou várias!) para deixar uma criança feliz. Uma roupa inspirada no personagem favorito e um saco de confete já são suficientes para os pequenos fazerem a festa.

Bicho-de-pé: como identificar, tirar e tratar

Uma companhia inesperada resolveu se juntar a nós durante a nossa viagem para Natal. Depois de visitarmos algumas praias e lagoas, um visitante surpresa resolveu se alojar no pé de Luca: um bicho-de-pé. 

Fazia tanto tempo que eu não via e nem ouvia falar de um bicho-de-pé, que quando descobri a bolhinha no pé do meu filho fiquei na dúvida se realmente era um – coisa que a vovó dele confirmou assim que viu. O aspecto é de uma bolha com um pontinho preto, como um olho. Acredito que quando descobrimos estava bem no comecinho, porque costuma coçar bastante, mas Luca em momento algum reclamou de coceira (ou vai ver estava gostando).

O bicho-de-pé é mais comum em regiões quentes e de solo arenoso, e o parasita se aloja na pele através do contato com o solo contaminado (através de fezes e urina de animais, por exemplo). Impossível saber se Luca pegou o bicho-de-pé na praia ou na lagoa, porque qualquer um desses lugares é passível desse tipo de contaminação e é impossível saber se um pedacinho daquela areia em que estamos pisando está propenso a isso.

Quando a gente identifica um bicho-de-pé, todo mundo tem história pra contar: “Quando eu morava na granja, a minha avó tirava bicho-de-pé dos meus primos com um espinho de limoeiro…” ou “Meu pai levava uma agulha na mala quando a gente viajar, porque na casa de praia do meu tio eu sempre pegava bicho-de-pé…”, e por aí vai. E por mais que tirar o bicho-de-pé com uma agulha fosse muito comum na nossa época, ou na dos nossos pais e avós, é muito mais prudente e seguro procurar um dermatologista ou podologista para resolver. Isso porque quando alojada no pé, a fêmea (sim, é ela quem entra para fazer a bagunça!) pode deixar ovos, e se não forem devidamente retirados podem se proliferar novamente. Além do mais, é preciso que os instrumentos estejam esterilizados.

Fomos na All Pé Dr. Scholl’s da Romualdo Galvão, com Luca super animado para tirar e ver o bichinho que estava no pé dele. Fomos atendidos por Dayane, que teve toda a sutileza e tato para lidar com uma criança de 3 anos, contando a ele cada passo do procedimento com brincadeiras e palavras que ele compreendia e o deixavam interessado. Ele foi corajoso e se comportou muito bem, não reclamou em momento algum, parecia mais uma programação de férias do que uma questão de saúde para resolver.

No mesmo dia em que o bichinho é retirado da pele, a recomendação é de não molhar o pé (pelo menos a área afetada, se possível) e passar uma pomada indicada. Eu sempre fazia uma limpeza no dedinho de Luca e usava Nebacetin e cobria a região com Micropore, com uns dois dias já era perceptível que a “cratera” aberta pela retirada do bicho ia se fechando e voltando ao normal. 

Por mais assustador que seja para os pais em um primeiro momento, bicho-de-pé não é coisa de outro mundo e a retirada e o tratamento são muito simples. A minha dica é que, por mais simples que seja e por maior que seja a vontade de cutucar o pé de alguém (ou o seu) com uma agulha, procure um profissional capacitado para resolver o problema. 

Ah, e depois Luca voltou a pisar e a brincar na areia. Sei que isso vai de cada mãe, mas achei melhor não forçá-lo a usar sapatos fechados e nem impedi-lo de pisar na areia descalço. Criança precisa brincar, e essas eventualidades acontecem. Paciência!

Close