Gastronomia | Blog Oxente Menina

Temporada do panetone aberta!

Se em épocas convencionais eu já não consigo ficar longe de coisas gostosas, imagina nesse período de gordices natalinas! A palhaçada aqui em casa começou essa semana quando meu marido trouxe uma caixinha despretensiosa da feira em meio às verduras, carnes e ovos. De relance, enquanto guardava as compras, vi aquele nome “Chocottone” e meu corpo começou a formigar, depois li “Ovomaltine” e o coração disparou!

Exageros à parte, o Chocottone de Ovomaltine da Bauducco é uma delícia! O recheio cremoso de chocolate é doce na medida, sem ser super enjoativo, e o sachê de chocolate crocante é um extra maravilhoso pra deixar a perdição ainda mais completa.

“Ah, mas o panettone tradicional é o de frutas cristalizadas e blá blá blá…”. Um abraço pro tradicional, porque não vejo a menor graça em frutas cristalizadas (aliás, se esse tipo de panetone for a única opção, eu saio catando os pedacinhos de fruta e como só a parte do pão). E ainda bem que existem alternativas diferentes e deliciosas:

1. Panetone Prestígio da Nestlé – R$ 26,90 | 2. Panetone de Doce de Leite da Visconti – R$ 16,00 | 3. Panetone Moça Doce de Leite da Nestlé – R$ 25,90 | 4. Chocottone Especial Frutas Vermelhas da Bauducco – R$ 23,00 | 5. Panetone Trufa da Visconti – R$ 16,00. Atenção: os valores informados têm base em pesquisa online ou informação de preços sugeridos.

Quem quiser me enviar um (ou vários) de cada, estou aceitando sem cerimônia.

Pomerode: o que fazer em um dia

Pomerode – a cidade mais alemã do Brasil – é um município próximo de Blumenau que preserva as heranças culturais dos colonizadores da Pomerânia, uma região no norte da Alemanha. E foi em homenagem à origem dos seus fundadores que a cidade recebeu esse nome. Com cerca de 30 mil habitantes, Pomerode é um lugar tranquilo e com aquela vibe gostosa de cidade do interior, onde é possível fazer praticamente tudo a pé.

Chegamos em Pomerode partindo de Blumenau, um trajeto de menos de 30 minutos e que nos custou pouco mais de R$ 40 de Uber. Existe uma linha de ônibus que faz a rota e a passagem custa cerca de R$ 7, o que, botando na balança, não valia a pena para o nosso grupo de quatro pessoas e três malas (pelo que percebi o ônibus é um pouco melhor do que um coletivo).

A ideia inicial era fazer um bate-volta de Blumenau para Pomerode, no decorrer da organização é que optei por pernoitar na cidade, basicamente por estarmos com Luca e não querer que ficasse muito cansativo para ele. Para quem vai passar apenas um dia, é só escolher as atrações de acordo com o perfil do grupo. Descartamos a Rota Enxaimel (que dizem que é maravilhosa) e visitamos as atrações que dava para fazer a pé nos arredores da nossa pousada.

Um dia em Pomerode

Começamos pelo começo! Depois de fazer o check-in e deixar a mala na Pousada Max Pomerode, que fica na XV de Novembro, fomos visitar o portal Sul, que fica no início da mesma rua. Além de informações turísticas, o portal também tem uma lojinha no primeiro andar e roupas para quem deseja se caracterizar para as fotos. Ali mesmo aproveitamos para tirar fotos – sem roupinha especial – no nome da cidade que fica logo atrás do portal, e de lá fomos almoçar no Torten Paradies. Em seguida, fizemos uma parada estratégica na Nugali Chocolates para o marido tomar um cafezinho (resisti bravamente aos chocolates porque já tinha comido muito no almoço).

Nossa próxima parada foi na Vila Encantada, um parque de dinossauros, pra Luca brincar. A estrutura do lugar é bem organizada com cafeteria, loja, banheiro família, mini-museu e várias atividades educativas (em outro post falarei mais sobre esse parque), e nós aproveitamos para sentar e descansar um pouco enquanto o pequeno se esbaldava. A Vila Encantada fica ao lado do Zoo Pomerode, mas entre um e outro optamos pelos dinossauros, e acho que não chegamos a passar nem duas horas lá dentro.

Intercalando a diversão de criança e de adulto, foi a nossa vez de curtir uma cervejinha gelada parando no Schornstein Kneipe, o bar da fábrica da cerveja que leva o mesmo nome. Do lado do bar fica o Armazém Schornstein, a loja oficial, que vende cervejas, iguarias e acessórios ligados à cultura cervejeira. Não chegamos a pedir petiscos no bar, mas vendo o cardápio pude observar que os preços são justos e os pratos tipicamente alemães que passaram por nós em direção às outras mesas pareciam bem apetitosos.

Quando o banzo da cerveja e do passeio no parque bateu forte, o trio belezura marido/filho/sogra voltou para a pousada para descansar e eu peguei o Uber para ir à loja da fábrica da Kyly (quem tem filho pequeno com certeza conhece a marca!). Para as lojas que ficam mais afastadas do centro, como a da Kyly e da Fakini, o ideal é estar de carro ou tentar pegar Uber, porque é uma caminhada longa. Mas sinceramente? Não vale o esforço. A menos que você esteja com tempo de sobra, nem perca seu tempo. Eu imaginei que a variedade fosse muito maior e os preços bem mais em conta, mas as peças eram basicamente as mesmas que vejo nas lojas daqui de Recife e os preços idem. Ainda comprei um pijama pra Luca, mas confesso que fiquei decepcionada.

À noite peguei a dica de um amigo e fomos conhecer a Tarthurel Pizzaria, um dos poucos lugares que estavam abertos na segunda-feira (durante o período de Oktoberfest, até mesmo os estabelecimentos que não abrem alguns dias da semana, como a Vila Encantada, passam a abrir por conta do fluxo de turistas na região). A pizzaria fica do lado direito do portal de entrada da cidade em uma casa que poderia passar batido para os desavisados. Não lembro o nome da que pedimos, mas foi uma das melhores pizzas que já comi na vida! E a variedade de sabores nos fez ficar uns bons 15 minutos analisando até conseguir escolher.

Em busca do caneco de chopp

Alguns estabelecimentos de Pomerode distribuem um Passaporte Turístico, um livrinho com dicas de restaurantes, lojas, pousadas e atrações da cidade. Ao consumir R$ 20 em um desses lugares, você ganha um carimbo no passaporte – cada estabelecimento só pode carimbar uma vez – e juntando 10 carimbos diferentes o visitante ganha um caneco de chopp exclusivo da cidade que é produzido seguindo as tradições da cerâmica alemã.

Na terça de manhã nosso dia foi praticamente uma corrida maluca para comprar umas lembrancinhas e completar o passaporte. Alguns estabelecimentos, mesmo sem atingir o valor mínimo, carimbavam os passaportes numa boa. O único local em que tivemos problema foi na loja Pomerode Alimentos, onde a mocinha só carimbou em um e na maior má vontade, meu marido teve que correr em um outro local para completar o segundo passaporte e garantir o outro caneco. Em todos os outros estabelecimentos fomos bem atendidos e dava pra ver que o pessoal torcia pra gente conseguir preencher antes de ir embora.

Fechando Pomerode com chave de ouro, ainda demos outra passadinha na Nugali Chocolates para provar o chocolate quente, que dizem ser o melhor do Brasil (e que ninguém de Pomerode fique chateado, mas ainda acho os de Gramado muito melhor!).

Pomerode é uma cidade fofa e cheia de gente afetuosa e simpática. Perfeita para passear sem rumos pelas ruas só observando as lojas, algumas casinhas no estilo enxaimel e as pessoas. Mas também é lugar de engordar e sair rolando! Tudo lá é delicioso, e mesmo quando íamos em atrações que não eram relacionadas a comida, depois sempre tinha uma paradinha estratégica para um chopp, um chocolate quente, um biscoitinho… Para quem vai visitar Blumenau, indico uma passada por Pomerode, mesmo que seja breve como a nossa.

Rapadura Hamburgueria: um lugar para conhecer em Natal

Saber dos pontos turísticos de um destino é legal, principalmente quando é a primeira vez indo para aquele lugar. Mas as melhores dicas de viagens, pelo menos na minha opinião, são aquelas dadas pelos locais ou por aquelas pessoas que já são de casa, de tanto que visitam o lugar.

Em Natal eu tenho a minha família como fonte de informação, e foi uma prima minha que falou da Rapadura Hamburgueria quando perguntei onde tinha um sanduíche bom na cidade. A Rapadura tem uma pegada nordestina, tanto nos nomes no sanduíche como nos complementos e na decoração {um passeio pelo rústico, vintage e artesanal}. Eu não queria um sanduichinho qualquer, queria um diferente, daqueles inesquecíveis e que deixam saudade. Bingo! {Aliás, só de escrever esse post, a vontade de me teletransportar para o Rapadura é gigantesca}.

O esquema lá é diferente, você não simplesmente chega, senta e faz seu pedido. Primeiro é preciso passar o seu nome e a quantidade de pessoas que estão com você para a hostess e aguardar um pouco. Enquanto isso você pode olhar o cardápio escrito a giz no quadro perto do caixa e escolher o seu pedido – não vou mentir, é um momento de muita indecisão. Quando a sua mesa é liberada, a própria hostess pede que você se encaminhe para o caixa para fazer o seu pedido. É como nas lanchonetes fast-food: você paga antes de receber o seu pedido.

Com o pedido feito, você entrega a nota no balcão que fica entre o caixa e o salão e se encaminha para o seu lugar. Quando o seu pedido fica pronto, seu nome é chamado pelo megafone e você vai lá buscar. Hora de se empanturrar!

Fui duas vezes à Rapadura, na primeira sem o meu marido, e na segunda com a desculpa de ter que levá-lo para conhecer. Da primeira vez experimentei o Pipa, com pão de jerimum, muçarela, cebola caramelizada, gorgonzola e tomate. O molho veio separado {em uma latinha de um extrato de tomate que tinha o Jotalhão na embalagem – tudo bem vintage!}, e era delicioso também. Da segunda vez experimentei o Pium, com pão de rapadura, muçarela, bacon e tomate. Muito gostoso, mas o Pipa é indiscutivelmente mais saboroso. Anota aí essa dica: vai de Pipa, meu bem.

Então tá, né? Com o botão da calça já desabotoado e lanche pago, é hora de ir embora rolando. Na-na-ni-na-não! Como o esquema é todo self-service, não tem ninguém para recolher a sua sujeira, você que precisa levar sua bandejinha até a saída e separar o que é lixo e o que é lata/vidro. Cuidado para não acabar jogando as latinhas fora, alguém que estava comigo, num surto de leseira, quase fez isso.

O lanche na Rapadura não é baratinho, mas achei o preço justo pelo tamanho do sanduíche. Da primeira vez não aguentei comer todo, da segunda vez fui preparada e cheguei lá morrendo de fome. Eu não recomendo, por exemplo, que você peça um sanduíche + um milkshake. Não é impossível, mas talvez você precise sair de lá rebocado.

Serviço: Rapadura –  R. Dr. Manoel Augusto Bezerra de Araújo, 139-141, Ponta Negra – Natal/RN (ao lado do castelo do Taverna Pub)

Close