Maternidade | Blog Oxente Menina

Marca lança linha de maquiagem infantil da Hello Kitty

Se eu tivesse uma filha, ela teria 99% de chances de ser uma pequena perua! O que ia rolar de roupinha de oncinha, saia de tule e acessórios no cabelo não é brincadeira. Mas só porque não tem uma menininha aqui em casa, não quer dizer que eu não continue babando quando vejo itens do universo infantil feminino. E não sou do time que acha que rosa é de menina e azul é de menino, mas também não vou comprar laço de cabelo e batom pro meu filho!

Falando em batom, essa história de ter ou não ter uma menina veio à tona quando recebi da assessoria da View Cosméticos a informação de que a marca está lançando alguns produtos infantis em parceria com a Sanrio. A linha é indicada para crianças a partir de 3 anos, e eu posso até brincar dizendo que minha filha seria uma perua, mas maquiagem é coisa muito séria e a primeira coisa a levar em consideração certamente seria saber a indicação de idade e a ausência de componentes nocivos.

Segundo a View Cosméticos, os produtos são dermatologicamente testados e possuem registro na Anvisa, além de respeitar os requisitos essenciais na produção de cosméticos para crianças, como baixo poder de fixação e fácil remoção da pele com água e sabão. Cada tonalidade é testada para que possa ser avaliado o potencial de irritação, a sensibilização e a toxicidade oral.

E já que não tenho uma filha, seria muito ridículo andar com um gloss com glitter na bolsa para uso próprio?

5 razões para não ter filhos

As pessoas acham estranho quando eu digo que não há nada de anormal na decisão das mulheres que decidem não ter filhos. E não falo da boca para fora, eu realmente acho uma decisão sensata, ainda que eu não compartilhe da mesma escolha delas. Se tem uma coisa que eu defendo nessa vida é que o ideal de felicidade não é o mesmo para todo mundo, e essas frases prontas do tipo “Quem não tem filhos vai ficar só na velhice”, “Uma mulher só se realiza sendo mãe”, “Aos 30 você vai querer engravidar” são uma bobagem! (Eu poderia até contra-argumentar cada uma dessas frases, mas vamos deixar isso para uma próxima oportunidade).

A maternidade é uma das coisas que mais me realizam como pessoa. Luca trouxe uma luz para a minha vida que não sou capaz de descrever, e até hoje, ele com quase 4 anos, fico com os olhos marejados ao observá-lo dormindo, pensando em como sou abençoada por ter essa criança tão linda ao meu lado. Mas reitero: esse é o meu ideal de felicidade, não precisa ser o seu. Da mesma forma que alguém se realiza sendo CEO de uma grande empresa e alcança o ápice da felicidade desempenhando esse papel, eu não consigo me imaginar nesse lugar. Pessoas diferentes, ambições diferentes, realizações diferentes. Tão simples entender que a vida não é uma receita de bolo, não?

“Eu entendo que nem toda mulher sonha em ser mãe e respeito a decisão de quem não deseja ter filhos, mas eu lamento por essas pessoas que nunca vão saber como é receber um abraço e um beijo gostoso de um filho.” Foto e legenda do meu Instagram pessoal de algumas semanas atrás.

Para ser mãe é preciso ter o instinto maternal, e isso deveria ser o bastante para justificar o arbítrio de procriar ou não, mas há sempre alguém enumerando argumentos na tentativa de convencer uma mulher a querer ser mãe. Indo na contramão, listo aqui cinco razões para não ter filhos. Minha intenção não é assustar e nem fazer quem sonha em ser mãe desistir da maternidade (seria, no mínimo, contraditório de minha parte!), mas sim mostrar que nem tudo são flores.

1. Eles adoecem. Nada mais óbvio, afinal todo mundo adoece. Mas quando é o seu filho que está doente, o mundo desaba. Uma das coisas mais loucas acontece quando uma criança está debilitada: por maior que seja o seu sono e a sua exaustão, aquela sensação de que a qualquer momento você vai sucumbir e desmoronar, as mães estranhamente conseguem ficar alertas, como se tivesse algum tipo de droga se espalhando pelo corpo, comandando o cérebro e dizendo “Não fecha os olhos. Põe o termômetro no menino de novo”.

2. Adeus, comprinhas! Ir no shopping comprar um sapato novo? Nem pensar. E aquele vestido que estava na vitrine semana passada? Já era! A menos que a sua condição financeira seja muito boa e você possa ter tudo, a realidade é que as coisas para a criança sempre vão vir em primeiro lugar. Sem falar naquele sentimento de culpa quando você compra uma calça jeans nova e lembra que deveria ter priorizado a vacina do seu filho.

3. Seu sono nunca mais será tão tranquilo. Nos primeiros meses de vida do bebê a rotina fica uma loucura mesmo, mas por volta do quarto ou quinto mês as coisas vão voltando à normalidade. A verdade é que, mesmo com a rotina do sono regulada, o sono de uma mãe dificilmente volta a ter a mesma paz que tinha na época de uma vida sem filhos. (Só agora, que sou mãe, consigo compreender porque a minha mãe sempre pedia para eu acordá-la quando chegasse em casa depois da balada para avisar que estava tudo bem).

4. A casa vai ficar bagunçada por muito tempo. Esmero é uma coisa que não existe em casas com crianças. E não importa quantas vezes por semana a faxineira vai na sua residência, no dia seguinte sua sala vai estar parecendo que um furacão subiu os nove degraus de escada, abriu a porta sem bater e fez uma zona apenas no seu apartamento.

5. A responsabilidade é sua. Da mãe e do pai da criança, por via de regra. Mas o ponto que quero chamar atenção é que, com a maternidade, a expectativa de “living la vida loca” fica para trás. Não é a sua mãe quem tem que passar a noite com seu filho porque você está a fim de fazer farrinha com os amigos, não é sua sogra quem tem que levar a criança ao médico porque você quer dormir até mais tarde. Ajuda é bom e todo mundo pode e deve contar com o apoio de familiares em emergências e situações especiais, mas achar que o mundo lhe deve favores porque você está desempenhando o sacrificante papel de ser mãe é fugir completamente do bom senso.

O certo e o errado não existem nesse tipo de decisão. Recentemente li a postagem de uma amiga no Facebook, que sempre defendeu a decisão pessoal de não ter filhos, contando que a ideia de uma possível gravidez a alegrava. Tudo bem mudar de ideia e querer ser mãe. E tudo bem também se você acha que não consegue lidar com as obrigações que vêm no pacote da maternidade. A cada um resta escolher seus referenciais de felicidade e respeitar as decisões alheias – com ou sem filhos.

Beach Park com criança

Fazia muito tempo que eu não ia em Fortaleza, mesmo sendo aqui pertinho (menos de uma hora e meia de voo!), e acho que eu devia ter uns 17 anos quando fui ao Beach Park. Pegue tempo! Ano passado decidi que em 2017 levaria Luca, principalmente depois de ver que o lugar está completamente diferente do que era mais de 20 anos atrás. Daquela época de 1900-e-bolinha eu só me lembrava da correnteza e de um tobogã chamado Moréia Negra, que eu nem cheguei a ver dessa vez. A correnteza ainda existe – é uma delícia! – e as áreas para as crianças são maravilhosas.

Para entrar e sair do parque é preciso passar pela Vila Azul do Mar, uma pequena vila cheia de lojinhas, quiosques e food trucks. O espaço é bem lindo e rende ótimas fotos. Isso se você não estiver super ansioso para entrar logo no parque, claro! O parque só abre às 11:00, mas é bom chegar cedo e dar uma volta pela vila ou ficar nas mesinhas pé na areia que ficam na frente.

Na entrada da vila pode ser que algum funcionário ofereça uma palestra com espaço e brincadeiras para as crianças. A intenção é apresentar os apartamentos do complexo para ver se o visitante se anima para comprar um imóvel por lá. Nós não fomos porque já chegamos mais de 10:00 e se entrássemos para a palestra, que dura uma hora, sairíamos com o parque já aberto, e a gente queria aproveitar desde o primeiro minuto. Em contrapartida eles oferecem almoço grátis no self-service (que é uma boa, já que tudo lá dentro é caro) e uma toalha exclusiva do Beach Park para a criança. Se chegar cedo, pense na ideia.

Pontualmente às 11:00 o parque abre. Os guichês para alugar armários e para comprar o cartão de consumação ficam logo na entrada. Particularmente acho que vale à pena alugar um armário, principalmente para quem leva mochilas ou bolsas e não quer deixá-las expostas enquanto vai nos brinquedos ou não tem quem fique olhando (quem vai querer ficar vigiando as bolsas enquanto as outras pessoas brincam?). O aluguel do armário grande custa R$ 47 e do pequeno R$ 25 – e eles são muito pequenos! Tivemos que alugar o grande para caber a mochila que levamos e mesmo assim só coube com muito jeito para encaixá-la dentro. Já cartão de consumo custa R$ 5, e você pode carregar o valor que quiser – também acho que vale à pena para não ter que ficar tirando dinheiro de dentro da bolsa na hora de consumir. Mesmo com as coisas super inflacionadas lá dentro, é impossível você não querer comprar nada o dia inteiro, e é proibido entrar com comida (apesar dessa regra, ninguém revistou minha mochila. Eu podia ter levado uma marmita que ninguém ia ver).

Como essa viagem foi voltada para Luca, entramos no Beach Park com as áreas infantis em mente. Minha preocupação era onde a gente ia se acomodar, fincar base, mas em todas as áreas têm várias cadeiras e ninguém precisa se preocupar em perder o lugar. Nossa primeira parada foi no Aqua Circo, uma área super colorida em tons pastel, com pequenos tobogãs, piscina bem rasinha e com o piso em silicone para não machucar os pequenos. Foi nessa parte que Luca fez sua estreia descendo tobogãs. Eu imaginei que ele não fosse ter medo, mas ele me surpreendeu – estava afoito!

Aqua Circo – Foto: Beach Park

A parada seguinte foi a Ilha do Tesouro, espaço onde tem um navio pirata, um tobogã de caracol e o Acquabismo – o escorrego laranja da Gol que dá para ir a família inteira. Mais uma vez Luca não teve medo, apesar desse ser bem mais alto do que os brinquedos infantis (a altura mínima para essa atração é de um metro). Nessa mesma área, às 15:00, acontece um show dos piratas que as crianças amam. O lado negativo para quem não quer ficar torrando no sol é que não tem nenhuma parte coberta dentro da piscina, salvo um pequeno guarda-sol, mas para nosso grupo isso não foi problema.

Show dos piratas na Ilha do Tesouro

Da Ilha do Tesouro aproveitamos para curtir a Correnteza Encantada e relaxar um pouco, porque correr atrás de uma criança super empolgada de três anos não é fácil, viu?! O problema é que na correnteza ele ficou entediado, querendo pular da boia e sair, mas conseguimos fazer a volta completa antes de seguir para o Maremoto. Esse eu também achei que ia pular umas ondinhas e relaxar, mas os deuses do mar deviam estar agitando o meu filho, porque ele estava totalmente manifestado! A área é uma delícia, mas eu saí com meus joelhos ralados de tanto correr atrás de Luca.

No Maremoto, a empolgação de quem sabe que vai ter um colinho pra dormir quando a energia acabar.

Na frente do Maremoto fica o Aqua Show, outra área infantil. Essa parte tem muitas escadas e uns tobogãs mais altos, por isso não dava para ficar só observando o pequeno, a gente tinha que ficar segurando a mão dele o tempo todo. Nessa parte também tem um balde gigante que vai inclinando à medida que vai enchendo, nessa hora vai juntando um monte de gente no espaço vazio que tem na frente para receber o jato que cai na cabeça. Muito legal! E é bacana ver que não é só criança que se empolga, os marmanjos também se divertem bastante.

Depois da Arca de Noé eu e meu marido tivemos uma pausa, mas não juntos, para descer o Ramubrinká, que fica vizinho ao Maremoto. Ele desceu no preto e eu no vermelho, ambos com boia. No vídeo postei uma parte que eu desço esse brinquedo, mas não ficou lá essas coisas porque tiver que amarrar a câmera no tornozelo. Anotem essa dica: o parque não permite que você desça o tobogã com a câmera na mão, mesmo que ela esteja presa na luva. Portanto, arranjem uma forma de filmar sem ter que descer a escada de volta, porque não dá para levar a câmera em punhos.

Nossa última parada foi na Arca de Noé, também infantil. Lá tem outro escorrego tipo o da Gol, só que bem menor e mais tranquilo. Nessa hora o sol já estava mais baixo e em certas partes dessa área tem tipo umas cachoeiras que dava para eu ficar encostada só curtindo o jato d’água enquanto Luca brincava.

Uma das coisas que me chamou atenção positivamente no Beach Park foi que em todas as piscinas têm muito salva-vidas. Até mesmo nas áreas infantis, em que as piscinas são rasas e pressupõe-se que uma criança não vá estar desacompanhada, tinha sempre umas  três ou quatro pessoas circulando e observando se estava tudo certo. Acho que não vi nenhum salva-vidas sentado na cadeira, eles estavam sempre em pé super atentos. Nota 10 para a segurança!

O Beach Park fecha às 17:00, começamos a organizar as coisas um pouco antes para poder dar um rolé pela vila antes do Uber chegar para nos pegar. Difícil foi conseguir tirar Luca de dentro da água! Para quem está com tempo, acho que vale muito fazer mais de um dia de parque e curtir com calma. No nosso caso, como fomos eu, Luca, marido e sogra, não curtimos os brinquedos de adulto porque minha sogra não daria conta de ficar sozinha com o pequeno agitado do jeito que ele estava. Mal voltamos e eu já quero ir de novo – dessa vez com a família inteira.

Informações úteis: Valor do ingresso – R$ 210 adulto e R$ 200 criança. Idoso paga meia-entrada. | Custos com alimentação – compramos um ingresso que dava direito ao almoço no self-service, mas carregamos cerca de R$ 250 no cartão (incluindo aí o valor do armário) e fizemos pequenos lanches, como água de coco, churros, picolés e refrigerantes. Na saída, se o cartão de consumação ainda tiver crédito, eles rassarcem. | Transporte – fechamos com um motorista de Uber e pagamos R$ 100 ida e volta para 3 adultos e 1 criança.

Todas as fotos dentro do parque foram feitas com a câmera Navcity NG100, que mostrei no Instagram. Vou falar mais sobre ela em um post aqui no blog.

Close