Maternidade | Blog Oxente Menina

Beach Park com criança

Fazia muito tempo que eu não ia em Fortaleza, mesmo sendo aqui pertinho (menos de uma hora e meia de voo!), e acho que eu devia ter uns 17 anos quando fui ao Beach Park. Pegue tempo! Ano passado decidi que em 2017 levaria Luca, principalmente depois de ver que o lugar está completamente diferente do que era mais de 20 anos atrás. Daquela época de 1900-e-bolinha eu só me lembrava da correnteza e de um tobogã chamado Moréia Negra, que eu nem cheguei a ver dessa vez. A correnteza ainda existe – é uma delícia! – e as áreas para as crianças são maravilhosas.

Para entrar e sair do parque é preciso passar pela Vila Azul do Mar, uma pequena vila cheia de lojinhas, quiosques e food trucks. O espaço é bem lindo e rende ótimas fotos. Isso se você não estiver super ansioso para entrar logo no parque, claro! O parque só abre às 11:00, mas é bom chegar cedo e dar uma volta pela vila ou ficar nas mesinhas pé na areia que ficam na frente.

Na entrada da vila pode ser que algum funcionário ofereça uma palestra com espaço e brincadeiras para as crianças. A intenção é apresentar os apartamentos do complexo para ver se o visitante se anima para comprar um imóvel por lá. Nós não fomos porque já chegamos mais de 10:00 e se entrássemos para a palestra, que dura uma hora, sairíamos com o parque já aberto, e a gente queria aproveitar desde o primeiro minuto. Em contrapartida eles oferecem almoço grátis no self-service (que é uma boa, já que tudo lá dentro é caro) e uma toalha exclusiva do Beach Park para a criança. Se chegar cedo, pense na ideia.

Pontualmente às 11:00 o parque abre. Os guichês para alugar armários e para comprar o cartão de consumação ficam logo na entrada. Particularmente acho que vale à pena alugar um armário, principalmente para quem leva mochilas ou bolsas e não quer deixá-las expostas enquanto vai nos brinquedos ou não tem quem fique olhando (quem vai querer ficar vigiando as bolsas enquanto as outras pessoas brincam?). O aluguel do armário grande custa R$ 47 e do pequeno R$ 25 – e eles são muito pequenos! Tivemos que alugar o grande para caber a mochila que levamos e mesmo assim só coube com muito jeito para encaixá-la dentro. Já cartão de consumo custa R$ 5, e você pode carregar o valor que quiser – também acho que vale à pena para não ter que ficar tirando dinheiro de dentro da bolsa na hora de consumir. Mesmo com as coisas super inflacionadas lá dentro, é impossível você não querer comprar nada o dia inteiro, e é proibido entrar com comida (apesar dessa regra, ninguém revistou minha mochila. Eu podia ter levado uma marmita que ninguém ia ver).

Como essa viagem foi voltada para Luca, entramos no Beach Park com as áreas infantis em mente. Minha preocupação era onde a gente ia se acomodar, fincar base, mas em todas as áreas têm várias cadeiras e ninguém precisa se preocupar em perder o lugar. Nossa primeira parada foi no Aqua Circo, uma área super colorida em tons pastel, com pequenos tobogãs, piscina bem rasinha e com o piso em silicone para não machucar os pequenos. Foi nessa parte que Luca fez sua estreia descendo tobogãs. Eu imaginei que ele não fosse ter medo, mas ele me surpreendeu – estava afoito!

Aqua Circo – Foto: Beach Park

A parada seguinte foi a Ilha do Tesouro, espaço onde tem um navio pirata, um tobogã de caracol e o Acquabismo – o escorrego laranja da Gol que dá para ir a família inteira. Mais uma vez Luca não teve medo, apesar desse ser bem mais alto do que os brinquedos infantis (a altura mínima para essa atração é de um metro). Nessa mesma área, às 15:00, acontece um show dos piratas que as crianças amam. O lado negativo para quem não quer ficar torrando no sol é que não tem nenhuma parte coberta dentro da piscina, salvo um pequeno guarda-sol, mas para nosso grupo isso não foi problema.

Show dos piratas na Ilha do Tesouro

Da Ilha do Tesouro aproveitamos para curtir a Correnteza Encantada e relaxar um pouco, porque correr atrás de uma criança super empolgada de três anos não é fácil, viu?! O problema é que na correnteza ele ficou entediado, querendo pular da boia e sair, mas conseguimos fazer a volta completa antes de seguir para o Maremoto. Esse eu também achei que ia pular umas ondinhas e relaxar, mas os deuses do mar deviam estar agitando o meu filho, porque ele estava totalmente manifestado! A área é uma delícia, mas eu saí com meus joelhos ralados de tanto correr atrás de Luca.

No Maremoto, a empolgação de quem sabe que vai ter um colinho pra dormir quando a energia acabar.

Na frente do Maremoto fica o Aqua Show, outra área infantil. Essa parte tem muitas escadas e uns tobogãs mais altos, por isso não dava para ficar só observando o pequeno, a gente tinha que ficar segurando a mão dele o tempo todo. Nessa parte também tem um balde gigante que vai inclinando à medida que vai enchendo, nessa hora vai juntando um monte de gente no espaço vazio que tem na frente para receber o jato que cai na cabeça. Muito legal! E é bacana ver que não é só criança que se empolga, os marmanjos também se divertem bastante.

Depois da Arca de Noé eu e meu marido tivemos uma pausa, mas não juntos, para descer o Ramubrinká, que fica vizinho ao Maremoto. Ele desceu no preto e eu no vermelho, ambos com boia. No vídeo postei uma parte que eu desço esse brinquedo, mas não ficou lá essas coisas porque tiver que amarrar a câmera no tornozelo. Anotem essa dica: o parque não permite que você desça o tobogã com a câmera na mão, mesmo que ela esteja presa na luva. Portanto, arranjem uma forma de filmar sem ter que descer a escada de volta, porque não dá para levar a câmera em punhos.

Nossa última parada foi na Arca de Noé, também infantil. Lá tem outro escorrego tipo o da Gol, só que bem menor e mais tranquilo. Nessa hora o sol já estava mais baixo e em certas partes dessa área tem tipo umas cachoeiras que dava para eu ficar encostada só curtindo o jato d’água enquanto Luca brincava.

Uma das coisas que me chamou atenção positivamente no Beach Park foi que em todas as piscinas têm muito salva-vidas. Até mesmo nas áreas infantis, em que as piscinas são rasas e pressupõe-se que uma criança não vá estar desacompanhada, tinha sempre umas  três ou quatro pessoas circulando e observando se estava tudo certo. Acho que não vi nenhum salva-vidas sentado na cadeira, eles estavam sempre em pé super atentos. Nota 10 para a segurança!

O Beach Park fecha às 17:00, começamos a organizar as coisas um pouco antes para poder dar um rolé pela vila antes do Uber chegar para nos pegar. Difícil foi conseguir tirar Luca de dentro da água! Para quem está com tempo, acho que vale muito fazer mais de um dia de parque e curtir com calma. No nosso caso, como fomos eu, Luca, marido e sogra, não curtimos os brinquedos de adulto porque minha sogra não daria conta de ficar sozinha com o pequeno agitado do jeito que ele estava. Mal voltamos e eu já quero ir de novo – dessa vez com a família inteira.

Informações úteis: Valor do ingresso – R$ 210 adulto e R$ 200 criança. Idoso paga meia-entrada. | Custos com alimentação – compramos um ingresso que dava direito ao almoço no self-service, mas carregamos cerca de R$ 250 no cartão (incluindo aí o valor do armário) e fizemos pequenos lanches, como água de coco, churros, picolés e refrigerantes. Na saída, se o cartão de consumação ainda tiver crédito, eles rassarcem. | Transporte – fechamos com um motorista de Uber e pagamos R$ 100 ida e volta para 3 adultos e 1 criança.

Todas as fotos dentro do parque foram feitas com a câmera Navcity NG100, que mostrei no Instagram. Vou falar mais sobre ela em um post aqui no blog.

Fantasia de Jake e os Piratas da Terra do Nunca

O pernambucano adora carnaval, e por aqui a folia começa muito antes dos dias oficiais. O que eu amo nas prévias é que elas são muito mais tranquilas e em qualquer esquina tem uma bandinha de frevo tocando com um monte de gente animada pulando ao redor.

Nos últimos três anos, as prévias infantis são obrigatórias na nossa programação. Às vezes nem são festas voltadas para as crianças, mas o ambiente é tão familiar e pacato, que a gente leva Luca sem medo. Mas com tanta festa, haja fantasia!

Felizmente, a avó paterna de Luca adora uma farra e é a primeira a comprar as fantasias dele. Esse ano ele ganhou dela a fantasia do Chaves e uma de palhaço. Antes de saber que ele ganharia essas duas, eu já havia separado uma de Vikings que ele usou ano passado e encomendei um colete para fazer a fantasia do Jake, o pirata que dá título ao desenho Jake e os Piratas da Terra do Nunca.

O desenho faz parte do Disney Junior, que tem uma programação mais voltada para crianças menores, na faixa de dois a sete anos. Luca adora o canal, e analisando os personagens com as fantasias mais fáceis de fazer, encontrei no Jake o meu modelo para o carnaval.

O bom da fantasia de pirata é que não tem muito o que fazer, e a do Jake eu achei que foi ainda mais fácil por ele usar cores básicas e sem muitos apetrechos. Para a fantasia de Luca, tudo o que eu tive que fazer foi encomendar o colete, que preferi usar dourado nas bordas, em vez do tradicional amarelo – saiu por R$ 40,00 na Abacaxi com Amora.

A espada é de plástico e custou R$ 14,90 nas Lojas Americanas. A camiseta branca com gola em V da Kyly ele já tinha e a bermuda faz parte de um conjuntinho da Rovitex que também já estava no guarda-roupa. A faixa vermelha da cabeça foi o lenço da festa de São João do ano passado, então, basicamente, a nossa despesa foi com o colete e a espada.

Na fantasia original do Jake, a calça é de uma tonalidade diferente do azul do colete, por isso não me preocupei em usar uma bermuda um pouco mais escura e nem em optar por bermuda em vez da calça. Aliás, o segredo para fazer uma fantasia usável é adaptar as peças que já temos em casa. Eu poderia ter colocado uma calça jeans para deixá-lo mais parecido com o personagem, mas seria uma judiação com o meu filho fazê-lo usar uma calça numa festa de rua às 10:00 da manhã. Só de pensar já começo a suar!

Você definitivamente não precisa comprar uma fantasia super cara (ou várias!) para deixar uma criança feliz. Uma roupa inspirada no personagem favorito e um saco de confete já são suficientes para os pequenos fazerem a festa.

Bicho-de-pé: como identificar, tirar e tratar

Uma companhia inesperada resolveu se juntar a nós durante a nossa viagem para Natal. Depois de visitarmos algumas praias e lagoas, um visitante surpresa resolveu se alojar no pé de Luca: um bicho-de-pé. 

Fazia tanto tempo que eu não via e nem ouvia falar de um bicho-de-pé, que quando descobri a bolhinha no pé do meu filho fiquei na dúvida se realmente era um – coisa que a vovó dele confirmou assim que viu. O aspecto é de uma bolha com um pontinho preto, como um olho. Acredito que quando descobrimos estava bem no comecinho, porque costuma coçar bastante, mas Luca em momento algum reclamou de coceira (ou vai ver estava gostando).

O bicho-de-pé é mais comum em regiões quentes e de solo arenoso, e o parasita se aloja na pele através do contato com o solo contaminado (através de fezes e urina de animais, por exemplo). Impossível saber se Luca pegou o bicho-de-pé na praia ou na lagoa, porque qualquer um desses lugares é passível desse tipo de contaminação e é impossível saber se um pedacinho daquela areia em que estamos pisando está propenso a isso.

Quando a gente identifica um bicho-de-pé, todo mundo tem história pra contar: “Quando eu morava na granja, a minha avó tirava bicho-de-pé dos meus primos com um espinho de limoeiro…” ou “Meu pai levava uma agulha na mala quando a gente viajar, porque na casa de praia do meu tio eu sempre pegava bicho-de-pé…”, e por aí vai. E por mais que tirar o bicho-de-pé com uma agulha fosse muito comum na nossa época, ou na dos nossos pais e avós, é muito mais prudente e seguro procurar um dermatologista ou podologista para resolver. Isso porque quando alojada no pé, a fêmea (sim, é ela quem entra para fazer a bagunça!) pode deixar ovos, e se não forem devidamente retirados podem se proliferar novamente. Além do mais, é preciso que os instrumentos estejam esterilizados.

Fomos na All Pé Dr. Scholl’s da Romualdo Galvão, com Luca super animado para tirar e ver o bichinho que estava no pé dele. Fomos atendidos por Dayane, que teve toda a sutileza e tato para lidar com uma criança de 3 anos, contando a ele cada passo do procedimento com brincadeiras e palavras que ele compreendia e o deixavam interessado. Ele foi corajoso e se comportou muito bem, não reclamou em momento algum, parecia mais uma programação de férias do que uma questão de saúde para resolver.

No mesmo dia em que o bichinho é retirado da pele, a recomendação é de não molhar o pé (pelo menos a área afetada, se possível) e passar uma pomada indicada. Eu sempre fazia uma limpeza no dedinho de Luca e usava Nebacetin e cobria a região com Micropore, com uns dois dias já era perceptível que a “cratera” aberta pela retirada do bicho ia se fechando e voltando ao normal. 

Por mais assustador que seja para os pais em um primeiro momento, bicho-de-pé não é coisa de outro mundo e a retirada e o tratamento são muito simples. A minha dica é que, por mais simples que seja e por maior que seja a vontade de cutucar o pé de alguém (ou o seu) com uma agulha, procure um profissional capacitado para resolver o problema. 

Ah, e depois Luca voltou a pisar e a brincar na areia. Sei que isso vai de cada mãe, mas achei melhor não forçá-lo a usar sapatos fechados e nem impedi-lo de pisar na areia descalço. Criança precisa brincar, e essas eventualidades acontecem. Paciência!

Close