5 motivos para não desistir do blog

Com as mais recentes mudanças na exibição das curtidas do Instagram, a discussão sobre engajamento, reputação e popularidade nas redes sociais anda em alta. Para alguns influenciadores, a medida é positiva, já que a competição e a ansiedade para ver quem consegue mais likes em uma foto diminui e, em teoria, o produtor pode focar mais no conteúdo do que em agradar com a foto perfeita; para outros, a privação pública desses dados é uma punhalada nas costas, afinal de contas, como provar que você é superpopular se ninguém está vendo quantas curtidas você recebeu? Enquanto muita gente continua chorando as pitangas, outros estão mais interessados em alimentar o blog do que em alimentar o ego. Veja alguns motivos para não desistir do blog (ou até se animar para criar um).

5 motivos para não desistir do blog

Não sejamos hipócritas, às vezes dá vontade, sim, de jogar tudo para o alto. Não foi nem uma e nem duas vezes que pensei nisso, foram várias. Mas o Oxente Menina continua aqui, firme e forte, há quase 10 anos. Durante esse tempo, vi muita gente boa abandonando sites que eu adorava acompanhar e que blogava com maestria. Sei que para muitos, ter um blog é apenas uma fase da vida, e quando esse ciclo acaba ou o tempo é consumido com outras prioridades, eles deixam de lado. Se o seu blog é o seu trabalho, parte dele ou uma extensão da sua vida, não se entregue!

+ Keep calm and crie um blog
+ Parcerias nos blogs de moda e beleza

desistir do blog

1. O blog é o único veículo que é inteiramente seu

O Instagram pode perder a graça, o Facebook pode morrer, o YouTube pode apagar seu canal, mas o blog é seu e não vai à lugar algum – a menos que você deixe de pagar o servidor. Ao passo que com qualquer uma dessas outras plataformas você fica à mercê da TPM do Google ou de Mark Zuckerberg, seu blog é estável. É verdade que o servidor pode cair e você corre o risco de perder conteúdo se não tiver realizado um backup, mas de forma geral, é onde seu material está mais seguro.

Essa segurança tem um custo, que é o registro do domínio e a hospedagem, mas existem empresas que oferecem bons serviços a valores bem acessíveis. E para quem está começando, pode usar as plataformas gratuitas de hospedagem do Blogger ou WordPress.

2. Seu conteúdo não deixa de existir

Pelo menos duas vezes na semana recebo mensagens de pessoas passando pelo problema de descolamento do saco gestacional na gravidez. Falei sobre esse assunto aqui no blog em 2013, quando ainda estava grávida de Luca, e mesmo depois de tanto tempo as pessoas continuam encontrando o post e entrando em contato comigo. E por que isso? Porque o que foi publicado vai continuar aparecendo nos resultados dos sites de busca. E por ser antigo e relevante, as pessoas vão continuar encontrando esse material sempre que digitarem as palavras-chave que levam ao post. Esse post é apenas um exemplo, mas a regra vale para todo mundo que tem um blog: seu conteúdo não morre.

+ Assessorias e influenciadores: como criar um relacionamento de sucesso
+ Briga de egos e concorrência na blogosfera

3. Você tem relevância na rede

Existem empresas que estão preocupadas apenas com números e com fotos instantâneas em redes sociais para agradar ao cliente. Existem outras, no entanto, que estão mais interessadas em manter uma relevância estável na internet, e é aí que os blogs entram em cena para ajudá-las. Coloque-se no lugar da empresa: você prefere ter seu nome vinculado a um blog antigo e cheio de credibilidade ou fazer uma parceria rasa com um influenciador no Instagram e ter sua foto esquecida depois de três dias?

Veja bem, não é que fazer parceria com influenciadores no Instagram ou Facebook seja errado ou negativo! Tudo depende do propósito da ação. Mas para quem quer criar relevância na internet (e costuma fazer backlinks), o trabalho precisa ser contínuo e, para isso, o veículo escolhido para publicidade ou parceria também precisa ser relevante e consistente. Quando alguém procura “descolamento saco gestacional”, é mais fácil encontrar nos resultados da busca uma foto no Instagram ou aquele meu post de 2013? É dessa estabilidade de conteúdo que estou falando. (E mesmo com toda sua relevância na rede, você ainda está com aquela ideia de desistir do blog?)

4. Você pode monetizar o blog mesmo sem fechar parcerias

Fechar publiposts é certamente a maneira mais objetiva de ganhar dinheiro com o blog, mas não é todo dia que rola aquela publicidade amiga, né? O que você tem a seu favor são os anúncios automatizados, como os do AdSense. Mesmo que você não atualize o blog com tanta frequência, os artigos existentes vão exibir os anúncios, e quanto mais visualizações e cliques essas propagandas tiverem, mais você ganha. Não espere ficar rico com isso, mas alguns dólares na sua conta certamente não vão fazer mal!

+ Produção de conteúdo: como evitar distrações e se concentrar no trabalho
+ 8 coisas que você nunca deve dizer a um blogueiro

desistir do blog

5. Você pode falar o que quiser!

Nada é tão libertador nessa internet quanto poder falar sobre qualquer coisa em um espaço que é seu. As pessoas nem sempre vão concordar com o que você pensa, mas expor suas ideias livre de censura (ou do risco de ser bloqueado em um grupo do Facebook) é uma verdadeira dádiva! Não deixe que ninguém dite o que você deve pensar, fazer ou escrever – aproveite para deixar as palavras fluírem sem se preocupar em agradar ou com a quantidade de compartilhamentos que vai receber com a postagem.

Os motivos listados neste post são do ponto de vista de alguém que também trabalha com a produção de conteúdo. A ideia não é ditar regras ou forçar alguém a não desistir do blog, e sim incentivar as pessoas a continuarem escrevendo. Independentemente do seu nicho ou da frequência de posts, o mais importante mesmo é continuar blogando por prazer!

Comentários do Facebook

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.