Mochila na pandemia: o que levar para garantir sua segurança

Há um ano, quando nossa rotina foi interrompida por conta da pandemia do coronavírus, ninguém imaginava que o isolamento duraria tanto tempo e que tantas coisas consideradas corriqueiras iriam dar uma grande guinada. Nesse início de 2021, com as escolas retomando as aulas e muitas pessoas voltando ao trabalho presencial e às atividades que costumavam fazer antes do surto do vírus (como frequentar a academia, por exemplo), algumas adaptações precisaram ser feitas.

O simples fato de sair de bolsa tomou novas proporções: como fazer todo o aparato de proteção caber em uma bolsa à tiracolo ou em uma pasta para laptop? Pensando nisso, muitas pessoas optaram por usar mochilas. “Quando meu trabalho voltou ao presencial, optei por substituir minha bolsa de todas as horas por uma mochila. Levo uma roupa extra e um par de chinelos. Quando acaba o expediente, troco não só a máscara, mas as roupas e o calçado também”, conta Mirella Almeida, que trabalha como assistente administrativo em um escritório de advocacia e mora com os pais idosos e duas irmãs. “Tomo todas as medidas de segurança para tentar reduzir ao máximo os riscos de contaminar meus pais”, completa.

+ Máscara de proteção em Recife: onde encontrar
+ Tipos de máscara de tecido: qual modelo escolher?

Para ter sempre na mochila

Depois de todo esse tempo, a gente já está careca de saber sobre os cuidados que deve tomar. Trocar a máscara com frequência, lavar sempre as mãos, usar álcool em gel, não tocar olhos, boca e nariz, e manter o distanciamento social  são as medidas básicas de proteção.

E seja para a escola, para o trabalho ou para a academia, você não pode deixar de levar:

  1. Álcool em gel;
  2. Máscaras extras;
  3. Case ou nécessaire para máscaras limpas e outra para colocar as sujas (para as máscaras sujas, se você não tiver uma bolsa extra, até um saco plástico resolve);
  4. Panos multiuso ou papel toalha.

“Mas para quê pano multiuso, meu Deus?”. Esse item pode até não fazer parte das prioridades, mas eu considero essencial e posso dar alguns exemplos: para passar no ônibus (no banco, quando você for sentar, ou na barra de ferro onde todo mundo põe a mão o tempo todo); ou para limpar os equipamentos da academia (porque não dá para confiar que são higienizados após o uso de cada aluno, né?).

+ Vou de mochila
+ O mundo numa bolsa

A higienização da bolsa

Antes de sair tacando álcool em gel na sua mochila, colocar a bolsa dentro da máquina de lavar, ou borrifar água sanitária, você precisa ver o tipo de material que o objeto é confeccionado e observar as instruções da etiqueta.

  • Couro – As mochilas de couro podem ser higienizadas com um sabonete com ação bactericida em um pano úmido. Passe por toda parte externa da bolsa e depois retire o excesso com um pano úmido limpo.
  • Tecido – Itens de tecido devem ser limpos com a mistura de um copo de água + um copo de vinagre. Borrife a mistura pela bolsa.
  • Nylon – Prepare uma mistura de água, detergente neutro e vinagre branco. Use uma esponja para esfregar, mas sem encharcar a peça.

    A medida de substituir bolsas pequenas por uma mochila garante também praticidade. Já que a quantidade de itens aumentou, o corpo agradece em ter o peso bem distribuído nas costas.

      Comentários do Facebook
      Compartilhe:

      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado.