Como escolher a escola certa para o seu filho

Ainda nem chegamos ao fim do semestre escolar e o próximo ano letivo já está me tirando o sono. Este é o último ano de Luca na atual escolinha, o que significa que, estando eu pronta ou não para deixar para trás o primeiro colégio que acolheu o pequeno, é hora de seguirmos novos caminhos nessa transição de educação básica para o ensino fundamental – sim, nós, porque esse tipo de mudança não envolve só o aluno. Tenho plena consciência de que escolher a escola certa para essa próxima etapa da vida do meu filho vai ser um fator importantíssimo na formação dele, e talvez seja essa pressão o motivo da minha ansiedade.

Bater o martelo por uma escola não é uma tarefa fácil, principalmente para quem não tem muitas referências anteriores, como é o meu caso (passei infância e adolescência em Natal, não conheço nenhum colégio em Recife para ter como parâmetro). Além do mais, os tempos mudaram, e o ensino já não é o mesmo que experienciei nas décadas de 1980/1990. Esse, aliás, é um dos pontos que tem me levado a refletir bastante: o mundo hoje é outro, vivemos na era da tecnologia, não faz sentido que meu filho aprenda o bê-a-bá da mesma forma que fui ensinada décadas atrás. Português, matemática, história e geografia continuam sendo importantes, mas a maneira que o conteúdo é transmitido aos alunos evoluiu – e eu quero uma escola que esteja acompanhando essa evolução!

+ Filho na escola: relato de uma mãe aflita no primeiro ano
+ Primeiro dia de aula: a adaptação dos pequenos

mãe e filho na escola

Escolher a escola certa depende da proposta pedagógica e do perfil de cada família

Um dos pontos fundamentais é ter consciência do perfil familiar e buscar uma escola com uma proposta pedagógica adequada aos valores, perspectivas e objetivos da família – lembrando que somos nós que devemos nos adequar à instituição, e não o contrário.

É na linha pedagógica adotada pela escola que se baseia a metodologia de ensino e as atividades educativas propostas, daí a importância de conhecer as principais e analisar a que melhor se encaixa no estilo de vida do grupo.

  • Construtivista. Baseada nos estudos do suíço Jean Piaget, o método construtivista tem as vivências cotidianas como base para o conhecimento e estimula a autonomia da criança. O conteúdo é apresentado de forma mais lúdica com o objetivo de envolver e incentivar o aluno a pensar e a participar das atividades.
  • Montessori. O modelo Montessori, criado pela educadora Maria Montessori, defende que cada criança tem um ritmo diferente de aprendizado. O método estimula a abstração e a própria experiência do aluno como impulsionadores para absorção do que é ensinado. Por conta do ritmo diferente entre os alunos, os colégios que adotam essa linha pedagógica costumam colocar no máximo 20 alunos por turma.
  • Tradicional. Na metodologia tradicional de ensino é o educador quem assume o papel centralizador, transmitindo o conteúdo de uma maneira mais sistematizada. Essa linha pedagógica propõe o conhecimento de forma mais inflexível, não dando muita margem para questionamentos ou exposição de pensamentos divergentes.
  • Waldorf. A pedagogia Waldorf defende um sistema de aprendizagem que une o conteúdo à arte, criando um modelo mais lúdico de ensino. O conhecimento é estimulado e transmitido através da criatividade e da imaginação aliados às atividades dinâmicas, como dança, pintura e teatro.

Algumas escolas podem adotar um sistema pedagógico específico e adaptar características de outros ao ensino.

+ A hora certa de colocar os filhos na escola
+ Mãe de menino: como construir um bom relacionamento com seu filho

sala de aula
O que você deve observar antes de tomar uma decisão

Depois de uma compreensão básica das principais linhas pedagógicas, é essencial que você visite cada uma das instituições antes de eleger sua favorita. Ver o site institucional, pegar referências com amigos e conversar com pais de alunos que já estudam na escola também é importante, mas nada como o feeling de ver o lugar de perto e conversar frente a frente com os educadores. Durante a visita, analise:

Espaço físico

A estrutura física deve oferecer salas de aula de bom tamanho com uma configuração que comporte bem os alunos (informe-se sobre a quantidade máxima de crianças por turma). Quadras e campos esportivos, piscina, biblioteca, parquinho e um pátio amplo também são itens fundamentais para uma escola de bom porte. Avalie a segurança, especialmente no controle da entrada, e não deixe de observar a higiene em locais como bebedouros, salas de aula e banheiros.

Ensino

Informe-se sobre os professores e sobre a equipe em sala de aula, como a presença de um auxiliar na turma. Se você faz questão de ensino religioso, é importante averiguar sobre a linha seguida pela escola e a abordagem em sala de aula, bem como a obrigatoriedade de frequentar ritos diários ou semanais. Alguns colégios têm religião como disciplina e abordam todas as crenças no conteúdo, ao passo que outras são predominantemente católicas ou evangélicas, para citar como exemplo, e só ensinam religião com base nos preceitos em que acreditam.

Com a evolução do mundo tal qual é hoje e como forma de preparar as crianças para o avanço tecnológico e para a velocidade da informação, disciplinas como robótica, educação financeira, idiomas (não só inglês) e aulas práticas em laboratórios são grandes diferenciais.

+ Aprendendo a economizar desde cedo
+ A importância do elogio para as crianças

robótica no ensino

Preço

Para muita gente, o valor da mensalidade é fator determinante na escolha do colégio. Coloque as principais despesas na ponta do lápis – mensalidade, lanche, esporte, inglês, etc. – e não tenha vergonha de pedir um desconto ou pedir informações mais detalhadas sobre bolsa de estudos.

Localização

Principalmente para quem mora em grandes cidades e precisa enfrentar o trânsito caótico diariamente, escolher um colégio perto de casa pode ajudar bastante a otimizar o tempo.

Outros fatores

Durante a visita, analise o acolhimento da equipe como um todo, pergunte se a escola oferece atendimento psicológico e pedagógico aos estudantes e se informe sobre os meios de comunicação disponíveis entre pais e escola (utilização de agenda, whatsapp, redes sociais, telefone direto com a coordenação, aplicativo, etc.).

+ 10 sinais de que seu filho é uma criança ansiosa
+ Bicho de pé: como identificar, tirar e tratar

escolher escola

O momento decisivo está chegando!

Estou atualmente na fase de visitar várias escolas junto com outras mães da turma de Luca que também estão na dúvida sobre onde colocar seus filhos. Por mais que nossas exigências e perspectivas se afinem em vários aspectos, escolher a escola certa deve ser uma decisão pessoal com base nos principais pontos citados neste post e no instinto de cada uma.

Depois que a nossa peregrinação chegar ao fim, quero definir uma lista com minhas duas ou três instituições favoritas e levar Luca para conhecê-las. Nessa tão importante decisão que vai definir os próximos anos da vida escolar dele, é importante que, acima de tudo, o principal personagem dessa história se sinta bem e feliz com a escolha.

escolher a escola certa

Comentários do Facebook

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.